Skip to main content
Skip to footer

Tutorials

1

Conheça as verificações obrigatórias do Eurocódigo 8 e as ferramentas CSI a que pode recorrer

Como é amplamente reconhecido, os programas CSI, nomeadamente o SAP2000 e o ETABS, possuem características de análise e pós-processamento de resultados muito úteis para a análise sísmica de estruturas.

No entanto, no caso específico do dimensionamento sísmico de edifícios de betão armado segundo o Eurocódigo 8, há múltiplas verificações de ductilidade que dependem de detalhes específicos de armadura de pilares, vigas e paredes que não se encontram definidos em modelos SAP2000 ou ETABS.

Tendo em conta que a análise e o detalhe das estruturas são fases distintas do processo de dimensionamento, que requerem diferentes interfaces e ferramentas, incorporar todas estas características num único software resultaria numa má experiência do utilizador e numa produtividade mais baixa.

O software VIS foi concebido precisamente com a intenção de expandir as capacidades de dimensionamento de betão...

Ver Tutorial completo →
0

 

Neste vídeo, iremos mostrar como usar a ferramenta Copy and Paste que permite copiar e colar propriedades de elementos no SAP2000. Usando o comando Copy Assigns do menu Assigns copiamos as atribuições feitas a um objeto. Em seguida, usando o comando Paste Assigns atribuímos estas mesmas propriedades a um outro objeto da mesmo tipo. Por exemplo, nó a nó, barra a barra ou área a área. Importante referir, só deve selecionar um objeto, no caso de selecionar mais de um objeto, o SAP 2000 selecionará um deles para copiar as atribuições.

Como exemplo, vamos usar o caso do vídeo:

Neste caso, selecionamos uma viga com propriedade de seção W 16 x 50, com Line Springs e cargas uniformes atribuídas. Em seguida, vamos ao menu Assign -> Copy Assigns. Neste momento todas as atribuições e propriedades da viga estão prontas para serem coladas noutro(s) elemento(s) da mesma família. Agora, selecionamos um ou mais objetos nos quais as atribuições serão coladas. Em seguida usamos o  menu...
Ver Tutorial completo →
0

 

Todas estas customizações, quer de barras de menus quer de atalhos, podem ser gravadas em ficheiros específicos. Caso necessário poderá sempre utilizar estes ficheiros para repor as suas definições pessoais sem ter de reconfigurar tudo de novo. Basta para isso seguir os seguintes passos:

Customizar menus e atalhos no SAP2000 como apresentado no vídeo; Gravar e fechar ficheiro de SAP2000 para rescrever ficheiros .ini e .xml; Voltar a abrir o SAP2000; Aceder ao menu Help>About SAP2000; Selecionar a opção “User Settings Folder”;

O link irá abrir uma pasta na localização C:/Users/[USER]/AppData/Local/Computers and Structures/SAP2000 24;

Neste momento, os ficheiros SAP2000v24 ToolbarShortcutSettings.xml e SAP2000v24.ini já contêm a informação das customizações de atalhos e barras de menus respetivamente; Deverá guardar uma cópia de segurança destes ficheiros para uso futuro, caso necessário; No caso da instalação de uma nova versão do SAP2000 ou de perda inadvertida de...
Ver Tutorial completo →
0

As mais recentes versões dos softwares da CSi integram novas ferramentas e funcionalidades para maior produtividade e segurança. Como forma de garantir um trabalho colaborativo entre colegas e evitar propagação de erros, é agora possível iniciar um modelo estrutural a partir de um ficheiro “template” fechado. Este ficheiro tem guardada toda a informação que o autor achar relevante e adequada para futuros projetos da sua equipa.

Desta forma consegue-se reduzir a replicação do erro que muitas vezes ocorre quando se usa um modelo de um projeto já existente como base para outro projeto.

 

Propriedades gravadas no ficheiro de Template

 

 

 

Criação de ficheiros de Template

 

 

 

Iniciar um novo projecto de SAP2000 com ficheiro Template

 

 

Ver Tutorial completo →
0

Este artigo pretende demonstrar uma possibilidade prática de definir combinações de ações com vento e sismo estático equivalente tendo em conta as múltiplas direções da ação.

Na generalidade dos casos reais, tanto a ação do vento como a ação do sismo tomam diferentes posições relativamente à estrutura. Será necessário, portanto, definir a ação para cada uma dessas direções e combinar cada uma delas com as restantes cargas relevantes.

Para facilitar as combinações, podemos condensar as múltiplas direções num só caso de carga, recorrendo a um Load Case do tipo Multi-Step Static, que não faz mais do que atribuir um Step a cada configuração da carga.

Esta ferramenta traz grandes mais valias tanto na fase de análise de esforços como na fase de dimensionamento, não deixando de ser um processo transparente e claro.

Segue em baixo um exemplo de como definir um caso de carga de vento em múltiplas direções que se desmultiplicará em várias combinações dentro da mesma Load Combination:

Ver Tutorial completo →
0

O ETABS 19 permite agora fazer a junção de múltiplos modelos num só ficheiro. Esta funcionalidade já estava disponível noutros programas CSi, nomeadamente no SAP2000 (ver artigo “Trabalhar em paralelo com modelos”). Numa lógica de trabalho compartilhado entre engenheiros, esta opção permite que cada interveniente na modelação seja responsável por uma determinada parte do modelo global, sendo possível numa fase posterior juntar todos os modelos parciais num um único modelo com a estrutura completa.

 

 

O processo de unir modelos é simples e intuitivo. Basta seguir os seguintes passos: Fazer a exportação do modelo 1 para o ficheiro 1 – File>Export>ETABS Database Tables to Text Importar o ficheiro 1 para o modelo 2 – File>Import>ETABS Database Tables in Text File Usar a opção Add to Existing model

 

Será emitido um número considerável de mensagens de erro/aviso relacionadas com entidades duplicadas – Clicar em “No” para prosseguir com a importação
Ver Tutorial completo →
0

Com o software CSiBridge é possível gerar e editar modelos estruturais de pontes pré-fabricadas em I ou em U, de forma rápida e transparente. Numa primeira fase, com o Wizard desenhado a pensar neste tipo de estruturas, só terá de definir qual a secção pretendida para as vigas e qual o tipo de pré-esforço e seu andamento. O caso exemplificado neste artigo corresponde a uma ponte com vigas em I pré-fabricadas e pré-esforçadas, que serão colocadas in-situ simplesmente apoiadas e só depois será feita a betonagem da laje.

 

O fluxo de operações para gerar um modelo deste tipo será:

 

Modelação dos elementos estruturais Definir tipologia de ponte / secção transversal; Definir andamento do traçado de pré-esforço bem como as suas propriedades e interação com as vigas; Definir relevê;   Definir posição e características dos pilares e encontros bem como as suas ligações ao tabuleiro. Estes elementos poderão também ter uma propriedade geométrica denominada viés, que permite definir...
Ver Tutorial completo →
0

O CSiBridge permite gerar e editar modelos estruturais de forma rápida e intuitiva graças às ferramentas de parametrização automática. Numa fase inicial basta definir qual a tipologia de ponte, a sua secção transversal, assim como o seu método construtivo. No caso exemplificado neste artigo, trata-se de uma ponte em caixão unicelular pré-esforçado com secção variável ao longo dos vãos, contruída através de avanços sucessivos.

 

O fluxo de operações para gerar um modelo deste tipo será:

 

Modelação dos elementos estruturais Definir tipologia de ponte / secção transversal; Definir método construtivo onde será decidido qual a sequência construtiva das consolas e os seus fechos; Definir os traçados horizontal e vertical; Definir relevê;   Definir posição e características dos pilares e encontros bem como as suas ligações ao tabuleiro; Definir a posição e características dos diafragmas; Definir juntas de dilatação; Definir variações geométricas da secção transversal ao...
Ver Tutorial completo →
4

Com a ferramenta interna Section Designer, incluída nos programas CSI, é possível definir secções com geometrias complexas aplicáveis a elementos de barra. Para facilitar e acelerar a definição destas secções, existe a possibilidade de importar estas mesmas secções diretamente de um ficheiro DXF.

Seguindo critérios simples na definição das secções em formato DXF, como apresentado na tabela resumo em baixo, é possível fazer a correspondência direta entre os elementos desenhados e as secções a importar.

 

 

 

Alguns exemplos de secções que podem ser facilmente importadas através de ficheiros DXF:

 


Figura 1 - Exemplo de uma secção de um Pilar de uma Ponte.

 


Figura 2 - Exemplo de uma secção tubular metálica com elementos de reforço.

 


Figura 3 - Exemplo de uma secção Mista Aço-Betão.

 

Tabela resumo de correspondências entre entidades dos ficheiros DXF e a respetiva importação nos programas CSI:   Entidade DXF Material
Ver Tutorial completo →
0

O comportamento elasto-plástico de pós-encurvadura pode ser modelado com o software CSI, seguindo as seguintes linhas gerais:

Discretizar o modelo em elementos suficientemente pequenos para capturar a não-linearidade geométrica. Normalmente são necessários entre quatro a oito elementos de barra ou Shell por vão. Definir cuidadosamente as condições de fronteira da estrutura a modelar. Definir imperfeições geométricas que podem ser importantes para iniciar a solução correspondente ao modo de encurvadura desejado, especialmente no caso de estruturas simétricas. Definir um load case de Buckling com o carregamento a estudar. Consultar os resultados para identificar o modo de encurvadura relevante. Converter a configuração deformada desse modo de encurvadura numa imperfeição geométrica, utilizando a opção “Analyze>Modify Undeformed Geometry”. Definir uma análise não-linear estática do tipo P-Delta plus Large Displacements, aplicando o carregamento a estudar e...
Ver Tutorial completo →